Moda, Tendências

Portugal Fashion: 25 anos e uma nova era digital

O Portugal Fashion regressou ao Porto e celebrou o seu 25.º aniversário de uma estranha forma, devido, claro, à pandemia. O mote desta 47.ª edição foi “25 Years Protecting Talent”, um regresso às origens.

A maioria dos desfiles decorreu na Alfândega do Porto, mas foi no pátio exterior do Neya Porto Hotel que Sophia Kah abriu a passarela na passada quinta-feira, para apresentar aos poucos presentes, a sua coleção primavera/verão 2021, “Dreams”, uma coleção rica em texturas.

Desfile de Sophia Kah (Foto: Ugo Camera)

David Catalán revolucionou o formato do desfile, optando por não mostrar fisicamente as suas propostas para a próxima estação, em vez disso, apresentou a sua coleção através de um vídeo gravado em setembro, em Milão.

Katty Xiomara optou, igualmente, por este formato, apresentando duas curtas-metragens, uma em português e outra em espanhol, para dar a conhecer a sua coleção “Alma“. Desfilaram, depois, duas modelos, vestidas com inúmeros coordenados. No final, ficaram apenas vestidas com um coordenado, após terem despido todos os outros. “Alma” é uma coleção em tons neutros, marcada pela feminilidade e simplicidade.

Nessa tarde, a marca de luxo Ernest W. Baker, criada pela portuguesa Inês Amorim e do norte-americano Reid Baker, pisaram pela primeira vez o palco do Portugal Fashion, levando ao Porto uma lufada de ar fresco ao apresentar não só a nova coleção de menswear, mas também peças de coleções anteriores.

O segundo dia desta edição festiva começou, de novo, no Neya Porto Hotel com Susana Bettencourt no comando. E porque se vive numa fase em que adaptação é a palavra de ordem, a estilista recorreu também a um formato diferente para apresentar a sua coleção. Susana Bettencourt transmitiu um vídeo ao longo do dia, simulando um editorial de moda. Além da sua confortável coleção, repleta de cor e malha jacquard, mostrou também aos presentes o ambiente e dinâmica dos bastidores.

Desfile de Susana Bettencourt (Foto: Ugo Camera)

Seguiram-se Inês Torcato e Maria Gambina. Pé de Chumbo pisou também, neste dia, a Alfândega do Porto, apostando no reaproveitamento de peças para construir uma nova e sustentável coleção.

Miguel Vieira encerrou o dia. Na Sala dos Despachantes, o estilista apresentou a coleção “Instropeção”, também em formato vídeo. Uma coleção para homens livres para vestir o que realmente as suas personalidades refletem, marcada pelo azul Capri, o bege e o rosa e pelo duelo entre o clássico e o geométrico.

Sábado, dia 17 de outubro, o último dia da 47.ª edição do Portugal Fashion. O dia arrancou no The World of Wine com o desfile de Marques’ Almeida, a dupla composta pelos portugueses, Marta Marques e Paulo Almeida. Uma coleção com tons quentes, tie-dye e acid denim.

Desfile de Marques’ Almeida (Foto: Ugo Camera)

Também neste dia, Hugo Costa surpreendeu e apresentou duas coleções num só desfile. A primeira foi a coleção outono/inverno 2020/21 que não chegou a apresentar na última edição, uma forma de agradecer à sua equipa por todo o seu trabalho e dedicação. Seguiu-se “Doss”, a coleção primavera/verão 2021, inspirada no soldado e socorrista norte-americano da Segunda Guerra Mundial, Desmond Doss. Peças simples e fluídas em tons neutros, com muitos bolsos e estampados à mistura.

De volta à Alfândega, Luís Onofre inspirou-se na natureza e no desejo de liberdade que envolve a todos para desenhar a sua coleção “Freedom”. Penas, rendas, bordados, cetim e ráfia foram alguns elementos principais das propostas do estilista. A coleção revelou também uma parceria com a Swarovski, caprichando ainda mais na elegância.

A dupla Alves/Gonçalves fechou a edição com uma visão otimista do futuro, propondo uma coleção não convencional, aliando o feminino ao masculino.

Foto: Portugal Fashion/ Ugo Camera